Quatro dicas para saber se a pintura do carro é original

Não seja enganado por pessoas mal-intencionadas na hora de comprar um veículo. Saiba identificar repinturas sobre a lataria do carro.
Na hora da revenda, muitos proprietários encobrem com maestria as imperfeições da pintura do carro. Como se sabe, avarias e retoques na tinta podem desvalorizar o veículo na hora da venda. Em determinados casos,  o reparo está tão evidente, que é difícil não notar. Porém, na maior parte das vezes, apenas especialistas com o “olho treinado” conseguem identificar com mais precisão repinturas que foram realizadas sem qualquer tipo de esmero. Sejam as executadas de forma amadora pelo próprio ou dono, ou simplesmente por profissionais pouco qualificados.
Conheça algumas dicas essenciais para reconhecer se a pintura do carro é original ou não.
1 – ) Padrão da superfície pela extensão do automóvel
Essa talvez seja a forma mais eficaz de identificar se a pintura é ou não é original. Geralmente quando
houve retoque incorreto de tinta no carro, há sempre um risco de lixa por trás da pintura e verniz.
Se olhar atentamente, a evidencia fica clara, já que talhos geralmente ficam bem marcados sobre a
lataria. Quando a pintura é executada por pessoas pouco qualificadas, o defeito contra a luz fica
bastante visível. Com uma simples lanterna é possível realizar a averiguação em busca de vestígios.
2 – ) Textura
É natural que a pintura, mesmo original de fábrica, apresente um certo grau de “casca de laranja”. Esse defeito, bastante recorrente na lataria de carros, pode ser potencializado com o retoque inadequado
na pintura. A região corrigida pode ser mais lisa, se comparada com as demais partes do veículo, ou até mesmo mais áspera. Tudo depende de como foi realizada a pintura. Um teste eficaz é verificar o reflexo. Ao se aproximar da lataria reparada, a imagem reproduzida perde a sua nitidez.
3 – ) Tonalidades claras e metálicas
Nos carros brancos, pratas ou com tonalidades metálicas, os defeitos são mais fáceis de serem encontrados. Basta olhar contra a luz solar, para conseguir identificar diferenças gritantes entre as
partes originais e a repintada. Visto de longe, a região retocada pode apresentar-se ora mais escura, ora mais clara, de acordo com a
iluminação vigente. Essa equivocada pintura do carro se deve ao uso impreciso de demãos sobre a lataria, ou ausência da técnica de alongamento durante o processo. Outro erro bastante comum fica por conta do emprego da pistola de pintura.
Muitas vezes o profissional varia a aplicação de tinta de acordo com região. O correto é manter a mesma variação, de forma que o resultado final apresente uniformidade. Esse erro de tonalidades da
mesma cor pode ser mais evidenciado em automóveis brancos, metálicos e pratas.
4 – ) Mudança de ângulo Sob a luz do dia, verifique o carro de todas as perspectivas possíveis. Se você não encontrar nada
diferente nessas circunstâncias, pode ter certeza que o veículo foi retocado corretamente, ou não
houve reparo algum.
FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *