Dia do Motociclista… O que celebrar?!

Dia do Motociclista blogNeste dia 27 de julho celebra-se, nacionalmente, o Dia do Motociclista. Porém, é difícil associar a data a algo diferente do que o grau de sinistralidade apresentado recentemente. Os dados estatísticos do Denatran revelam que, na média, 3/4 das indenizações do DPVAT são pagas a vítimas de acidentes envolvendo motocicletas.

Ao ano, são mais de 12 mil vítimas fatais, enquanto condutores de motocicletas. Atualmente, a solução (ou tentativa de) passa pela inserção da tecnologia de maneira mais efetiva para a adequada formação desses pilotos, que vem sendo discutido, sendo que a adoção de simuladores é mencionada como caminho que ajudará em muito neste desafio.

Resumidamente, apesar de as motocicletas responderem a 27% da frota nacional de veículos, 83% das indenizações pagas, em 2016, foram para vítimas de invalidez permanente e 5% para morte. Dos mortos, 53% estavam na faixa entre 18 e 34 anos, ou seja, economicamente ativos. Portanto, na semana em que é lembrado o Dia do Motociclista, os dados servem de alerta para mudarmos essa realidade.

E, apesar dos motoristas representarem 40% das mortes no trânsito no país, quando o olhar se volta para o nordeste brasileiro, por exemplo, considerando o mesmo período, essa taxa chega a 54%. Na região norte, por sua vez, o indicador é menor (47%), mas ainda acima do indicador nacional. E se, no Brasil, a prova prática para tirar habilitação de motocicleta ainda é realizada em circuito fechado, há países em que se formou grau maior de exigência para fornecer habilitação.

Finalizando, existe crescente aumento de ocorrências envolvendo crianças transportadas em motocicletas, independente do período de férias escolares, sugerindo que esta forma de transporte é regular e independe do período do ano. É uma conclusão estarrecedora para um país que vê suas crianças sendo vítimas da irresponsabilidade de adultos, morrendo ou tendo a vida marcada permanentemente. Celebrar o quê?!

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *