FÉRIAS É TEMPO DE VIAJAR COM AS CRIANÇAS

12-900x4444-900x444

 

Verão, férias escolares, sem dúvida a melhor época do ano para viajar com os filhos. Para esclarecer dúvidas comuns sobre o tema, e ajudá-lo a fazer, junto com seus pimpolhos, a melhor viagem da sua vida, falamos com Sut-Mie Guibert, responsável pelo blog Viajando com os Pimpolhos.

Ela, o marido e as duas filhas adoram desbravar o mundo. “Acreditamos que viajar é abrir horizontes, aguçar a curiosidade, aceitar as diferenças, achamos que quanto mais cedo se começa, melhor! Juntos rodamos o Brasil, já fomos para Marrocos, México, Tailândia, Grécia, Paris, Buenos Aires, Hawaii…”, conta ela.

Acompanhe as dicas preciosas de Sut-Mie e faça excelentes viagens.

Pergunta – Muitas pessoas dizem que não vale a pena viajar com crianças muito
pequenas, bebês. Você acredita que a partir de qual idade a criança pode
ser levada para uma viagem sem ser um “peso” para os pais?

Sut-Mie – Tudo depende muito da dinâmica de cada família e de cada criança. Os pais precisam se sentir seguros para viajar com bebês, para que a aventura seja um momento de lazer para todos e não se transforme em estresse. As companhias aéreas só permitem que bebês viajem após sete dias do nascimento. Mas eu sempre aconselho começar por pequenas viagens de carro, mais fáceis de serem organizadas: a família pode passar um final de semana perto de casa, em uma pousada ou casa de parentes e ir alongando a distância, tempo e trajeto conforme vão se sentindo seguros. Viajar com bebês de carro é fácil, até porque muitos dormem na cadeirinha com o barulho e movimento. E,
de carro dá para levar todas as bagagens e “tralhas” que os pais quiserem.

Muitas famílias viajantes concordam que viajar com bebês é mais fácil do que imaginamos: de forma muito resumida e caricatural, bebês mamam e dormem. Já quando começam a andar, mexer em tudo, deixar as fraldas, ter preferências alimentares, fica um pouco mais complicado, mas nada que um pouco de prática não resolva. Sou da opinião de que quanto mais cedo se começa, melhor, assim todos vão
se acostumando, entrando no esquema, pegando os macetes e, no que depender
dos fatores internos, cada viagem vai ficando mais fácil e agradável.

Pergunta – Existe roteiro certo para cada idade da criança? Ou tudo depende de como é a organização familiar?

Sut-Mie – Novamente, depende muito do estilo da família, o quanto ela é aventureira, mais ligada em natureza ou praiana, ou apaixonada por cidades, parques e museus…

Resumidamente, é interessante levar bebês e crianças pequenas para lugares com muita natureza, espaços abertos, como cidades com estrutura e muitos parques urbanos (USA, Canadá, Europa), praias ou lugares com animais, fazendinhas (resorts, hotéis fazenda que podem acolher os pequenos e onde os pais podem descansar). Já um pouco mais velhos, lugares com natureza e mais aventuras podem ser interessantes (lugares onde se praticam esportes, arvorismo, tirolesa, caiaque…), praias ou, novamente, cidades urbanas com museus e interesses turísticos.

Pergunta – Quais os cuidados que devemos tomar ao viajar com as crianças, para que
elas se sintam seguras e felizes?

Sut-Mie – Antes de viajar, é interessante levar a criança ao pediatra para que este faça um check-up e uma lista de remédios para levar. Os pais podem levar alguns objetos de referência das crianças, brinquedos preferidos, um livrinho/ursinho, que passe segurança e faça uma conexão com a casa (nem toda criança gosta de sair do ambiente conhecido). Nesse caso, é sempre bom deixar claro também que vamos viajar, mas vamos voltar. Algumas famílias gostam de fazer calendários de viagem para preparar, entrar no clima. E, de carro, preparar a cadeirinha, bolsa com lanches e água. E, para a diversão, uma playlist de músicas preferidas e jogos. Para todas as viagens, levar sempre em conta que o ritmo deve ser mais lento, adaptado à criança.

Pergunta – E no tocante a documentação, transporte (térreo/aéreo), malas. Como se organizar para que se tenha tudo em mãos em caso de emergência?

Sut-Mie – No geral, aconselho sempre a viajar leve, ter o menos de malas e objetos possíveis, para ser menos cansativo e poder dar atenção à criança. Como mala de mão, gostamos de mochila ou bolsa lateral para ter as mãos livres. A documentação pede uma atenção especial, é necessário verificar se o destino pede passaporte ou não, qual a validade dele, se o destino pede visto, autorização para sair do país só com um dos pais ou com terceiros. Geralmente, aconselho ter uma pastinha com todos os documentos
originais e até certidão de casamento/divórcio/óbito dos pais, se necessário.

Pergunta – Tem muita diferença em levar uma criança para viagens nacionais e internacionais? A distância, o cansaço, isso influencia?

Sut-Mie – Sinceramente, não acho que influencie tanto, até porque o Brasil tem dimensões continentais. Chega-se mais rápido a Buenos Aires, saindo do Rio de Janeiro ou São Paulo do que em Fortaleza, por exemplo. Há destinos internacionais muito interessantes e perto, como Buenos Aires, Uruguai, Santiago e Peru. Já para distâncias maiores de avião, geralmente as famílias optam por voos noturnos onde as crianças dormem e acordam no destino. Mas claro que o cansaço pode influenciar na viagem, tanto para os adultos quanto para as crianças, então é bom evitar muitas escalas e horários apertados.

Pergunta – Quais os melhores destinos que você indica para se viajar com crianças?

Sut-Mie – Depende muito do estilo da família, por isso é interessante levar em conta os interesses de todos. Mas destinos como Buenos Aires e Santiago têm muitos passeios, parques, museus, restaurantes… atrativos que podem agradar à todos. Dentro do Brasil, o país tem quilômetros de praias. Regiões tipo Praia do Forte ou Porto de Galinhas têm atrativos além de praia, como o Projeto Tamar e piscinas naturais. E claro, Orlando é sempre um destino almejado porque tem estrutura e atrativos para todas as idades, do menores aos mais velhos, e para toda a família, incluindo avós, primos…

Pergunta – Quais os destinos que os menores de 10 anos devem evitar?

Sut-Mie – Alguns destinos pedem um mínimo de idade. Bonito, por exemplo, tem muitos mergulhos para os maiores de 05, 06 anos. O Iberostar, navio all inclusive na
Amazônia, exige um mínimo de 08 anos. Geralmente são destinos que pedem mais
esforço ou resistência física e onde algumas atividades são restritas.

Pergunta – Outra dúvida comum é em relação a viagens para colônias de férias. Quando é o momento de permitir esse tipo de diversão?

Sut-Mie – Isso é muito particular a cada família e criança. Geralmente, é mais fácil para crianças um pouco maiores, mais autônomas, que sabem pedir as coisas, se defender e já curtem viver em grupo de amigos e fazer atividades.

Pergunta – Qual dica deixaria aos pais que irão fazer a primeira viagem com seus pequenos?

Sut-Mie – Não estressar, relaxar, não ter horários e regras rígidas e, para isso, preparar a viagem, saber um pouco do destino. Não hesitar em levar carrinho e carregadores, levar menos coisas do que previsto e aproveitar para descansar, descobrir coisas em família ou redescobrir através dos olhos e ingenuidade das crianças.

Pergunta – Em qual momento vale a pena deixar as crianças com familiares e ir
curtir uma “viagem de adultos”?

Sut-Mie – Assim que o casal se sentir seguro para deixar a criança e sentir necessidade de estar a sós. Há casais que fazem isso desde que a criança é bebê, já outros só conseguem isso um pouco mais tarde. Só não aconselho viajar e ficar sofrendo. Nesse caso, ou o casal viaja sozinho mais tarde, ou leva a criança.

Saiba mais sobre o tema no blog www.viajandocompimpolhos.com

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *