Óleo: quando trocar e quando completar?

Saiba como verificar o nível do lubrificante do motor e qual a melhor forma de tratá-lo.

O óleo do motor é um dos componentes mais importantes para o bom funcionamento do carro. Ele diminui o atrito entre as peças, reduzindo o desgaste e aumentando a durabilidade delas, e ajuda na estabilidade da temperatura do motor. Sabendo da importância deste composto, frentistas frequentemente nos oferecem a verificação e a troca do óleo, e nem sempre sabemos qual a melhor resposta.

A principal característica do óleo é sua viscosidade, que determina a dificuldade com que ele flui. Quanto mais viscoso ele for, maior será o filme criado entre peças móveis. Ou seja, com o passar do tempo e, principalmente, com os quilômetros rodados, ele perde algumas propriedades, diminuindo sua eficiência e, portanto, aumentando o atrito entre as peças, prejudicando a vida útil e o desempenho do motor e aumentando o consumo de combustível. Como nenhum motorista quer isso, vale ficar de olho para saber quando é a hora de trocar.

dunlop_oleo1 (Foto: Divulgação Dunlop)

O manual do carro, que sempre deve estar à disposição, indica a quilometragem adequada para a troca e qual o melhor lubrificante para o veículo. Fabricantes também recomendam que o filtro seja trocado junto com o óleo, ou a cada duas trocas, já que ele é fundamental para impedir que impurezas cheguem até o motor. Muitas vezes, o filtro concentra sujeira a ponto de dificultar a passagem do óleo, o que pode causar falhas na lubrificação. Por isso a importância da sua troca.

Ainda que não seja a hora de trocar o óleo, é importante ficar de olho no seu nível. Para medi-lo, o motorista deve esperar cinco minutos após desligar o carro, tirar e limpar a vareta do motor (certificando-se de que não deixou nenhum resíduo nela), colocá-la e retirá-la novamente, a fim de conferir se o óleo está entre os dois marcadores de nível (máximo e mínimo). Ao contrário do que muitos pensam, o nível correto é bem no meio das marcações. Se estiver acima do máximo, ele pode vazar e danificar algumas peças. Se estiver abaixo do mínimo, o motor pode ser prejudicado por falta de lubrificação.

dunlop_oleo2 (Foto: Divulgação Dunlop)

É normal que, com a rodagem, o óleo seja consumido, o que pede uma atitude do motorista. Primeiro, vale conferir quanto falta para trocar o óleo todo, para evitar gastos desnecessários. Se não for o caso, é preciso conferir a viscosidade do óleo que já está no motor (seja de acordo com o manual ou com a última troca), para que o filtro seja completado com um lubrificante compatível a ela, evitando qualquer tipo de problema proveniente da mistura de óleos.

Na hora da troca ou de completar o nível de óleo, dê preferência para centros especializados ou para um mecânico de confiança. Por mais que eles normalmente coloquem um adesivo no vidro do carro, indicando qual o óleo colocado e quando deve ser a próxima troca, guardar o rótulo da embalagem impede dúvidas futuras, evitando riscos de danos.

FONTE G1

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *