Marca alemã de quase 100 anos e inativa há 50 ressurge em Frankfurt

Borgward foi fundada em 1919, mas estava inativa desde 1962.
Marca irá produzir SUV BX7 na China, com motor 2.0 turbo.

Borgward BX7 (Foto: Ralph Orlowski / Reuters)
Borgward BX7 (Foto: Ralph Orlowski / Reuters)

Quando alguém pergunta a um apaixonado por carros quais marcas alemãs vêm a cabeça, a resposta é instantênea: pode ser Volkswagen, Mercedes, Audi, BMW, Porsche e até Opel. Pois a partir desta edição do Salão de Frankfurt (IAA), mais uma pode ser citada: a Borgward.

 

FRANKFURT 2015
Salão é o maior da indústria automotiva

A fabricante, fundada há quase 100 anos, e inativa há mais de 50 foi oficialmente relançada no Salão, exibindo o modelo BX7, um SUV do porte do Audi Q5.

O modelo será fabricado na China, e contará com motor 2.0 turbo de 224 cavalos.

No visual, ele conta com linhas agressivas, como faróis espichados para as laterais, grade repleta de elementos cromados e na traseira, o nome da marca ocupa toda a parte central da tampa do porta-malas.

Por trás do ressurgimento da marca está o neto do fundador, Christian Borgward. Ele é presidente do conselho da marca.

Borgward sendo transportado para navio na Alemanha (Foto: Divulgação)Borgward sendo transportado para navio na Alemanha (Foto: Divulgação)

História
A Borgward surgiu em 1919, fundada por Carl Borgward. Seis anos depois, a empresa estabelecida em Bremem produziu as primeiras unidades do Blitzkarren, um veículo que mais lembrava um triciclo descoberto, com apenas 2,2 cv e capacidade de carga de 250 kg.

Anos depois, veio o sucessor, Goliath Pionier. Com 6,7 cv, ele era coberto. Foi o veículo mais vendido da Alemanha em 1931 e 1932. Antes da Segunda Guerra Mundial, a marca ainda criou a linha Hansa, produzida até a metade dos anos 1950.

Nesta década, aliás, a Borgward esteve no auge. Foi a terceira maior fabricante de veículos na Alemanha, com as linhas Hansa e Isabella. Este último teve versões perua, cupê, conversível e sedã, com mais de 200 mil unidades produzidas. Em 1960, ele tinha 14,3% das vendas de seu segmento, de acordo com a empresa.

Ele também foi o último a ser produzido, em 1961, quando a marca, em grave situação financeira, declarou falência e fechou as portas.

Borgward BX7 (Foto: Divulgação)

 

FacebookTwitterGoogle+WhatsAppCompartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *